segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Políticas Públicas de Cultura: Avanços e Desafios no Brasil e em Minas Gerais

Ana Torga, jornalista e  integrante da equipe comunicação colaborativa

Mesa de abertura: José Marcio Barros (Coordenador Geral do Seminário), Marcelo Santos (Gerente de Arte e Cultura da Fundação ArcelorMittal, patrocinador do Pensar e Agir com a Cultura), Patricia Avellar (Representante da Fundação Clóvis Salgado), Luciano Magela Roza (Secretário de Cultura da Prefeitura de João Monlevade) e Alexandre Marques (Representante da Secretaria de Educação e Cultura de Teófilo Otoni).

.
 

 
 Debate: Uma reflexão sobra as políticas públicas para a cultura dos últimos oito anos em âmbito nacional e regional. Expositores: Isaura Botelho (Consultora em Políticas Culturais) e Chico Pelúcio (Diretor Geral do Galpão Cine Horto). Coordenador de mesa: José Oliveira Junior (Coordenador do Programa Pensar e Agir com a Cultura e Observatório da Diversidade Cultural).

 Isaura Botelho falou sobre os avanços dos últimos 8 anos nas políticas públicas culturais e mais: "A Cultura passa a ser considerada em sua dimensão antropológica, o que significa assumida em sua dimensão simbólica da existência social brasileira, como conjunto dinâmico de todos os atos criativos do nosso povo, aquilo que em cada objeto que um brasileiro produz, transcede o aspecto meramente técnico. Cultura como 'uzina' de símbolos de cada comunidade, de cada nação. Este construtor de identidade, espaço de realização da cidadania."


Chico Pelúcio relatou a importância de conhecer como funciona o sistema nacional de cultura e ainda: "O Estado tem obrigações constitucionais com a arte, com  a cultura. (...) Outro avanço nos últimos anos  foi a organização da sociedade civil. Acho que nós entendemos que qualquer política não vai ser construída sem a participação da sociedade civil."

 Público formado pelos alunos do curso Pensar e Agir com a Cultura, edição 2010.


A pergunta que não quis calar...

Thiago Carvalho, da equipe de comunicação colaborativa

O que você fazia quando estava na quarta série? As respostas desta pergunta foram apresentadas na dinâmica mediada pelo Professor José Oliveira Júnior pelos integrantes dos projetos do eixo de Articulação Cultural, neste sábado, 28 de agosto, no Palácio das Artes em Belo Horizonte.


A dinâmica proporcionou uma reflexão sobre como não falamos de nós mesmos sendo que na maioria das vezes, optamos por explorar o âmbito externo ao invés do interno do ser humano. A discussão fez com que concluíssemos que essa atitude acaba por impedir ou minimizar o aprendizado pela convivência proporcionado pelo compartilhamento de experiências pessoais.

Alegrias, brincadeiras, amores, decepções, traumas e superações, foram temas das confissões e lembranças que trouxeram nostalgia e boas lembranças à dinâmica.

Em seguida, os participantes tiveram um tempo para a troca de experiências entre os grupos de trabalhos das cidades participantes, cada qual explicitando às motivações e dificuldades encontradas no desenvolvimento de cada projeto apresentado no Seminário.

Essa etapa foi enriquecedora . Foi o momento em que houve a interação e o real compartilhamento das experiências entre os gestores culturais das diversas cidades participantes . Após a satisfatória participação no V Seminário Pensar e Agir com a Cultura, ficou a pré-disposição de integrar as iniciativas, a fim de construírmos uma sociedade cultural consolidada, trazendo como consequência de nossas atividades, o desenvolvimento intelectual das comunidades .

E no segundo dia do Seminário...

Renata Lopes, da equipe de comunicação colaborativa

O segundo dia do V Seminário Pensar e Agir com a Cultura – Políticas Públicas para a Cultura: avanços e desafios no Brasil e em Minas Gerais teve programação intensa. Começando com uma mesa de debates, composta por Isaura Botelho, consultora em Políticas Públicas Culturais, e Maria Helena Cunha, DUO Informação e Cultura, José Márcio Barros, Programa Pensar e Agir com a Cultura como mediador. O tema da mesa foi “Desafios de uma política pública para formação de gestores culturais”.

Este seminário também marca o encerramento da 10ª edição do curso gratuito de capacitação de gestores e agentes culturais “Desenvolvimento e Gestão Cultural”, iniciado no primeiro semestre de 2010, nas cidades de Belo Horizonte, Juiz de Fora, Teófilo Otoni, Itaúna e João Monlevade.

Por isto, na parte da tarde, foram realizados grupos de trabalho para a apresentação dos projetos desenvolvidos durante o curso . Cada grupo ficou cerca de 40 minutos apresentando seus projetos e discutindo dificuldades, aplicabilidade, avanços.

Os grupos foram divididos em três eixos:
Formação (mediadores: Sheilla Piancó e Marcelo Santos)
Difusão (mediadores: Priscilla D’Agostini e Leandro Lopes)
Articulação (mediadores: José Junior e Giselle Lucena).

No fim da tarde, houve uma plenária de encerramento, onde foram apresentadas dificuldades como fazer o projeto sair do mundo das idéias e passar pro papel. “Começamos com uma árvore e terminamos com uma folha” Ana Teresinha Machado, da turma de João Monlevade.

Ressaltou-se a importância do comprometimento e da troca que levam ao amadurecimento do grupo. “Projeto é processo, se houve dificuldades, mudanças, crises, é porque foi produtivo” Priscilla D´Agostini.

Levantou-se que o tempo de realização do curso é curto para tantos detalhes e porque os alunos vêm de lugares, trabalhos e profissões distintas, o que enriquece muito o curso, porém demanda-se um tempo até se conhecer e conseguir uma sintonia entre os integrantes do grupo.

O Pensar e Agir com a Cultura apresentou então a proposta de um curso de aprofundamento contemplando temas como: estabelecimento de parcerias, prestação de contas, assessoria jurídica entre outros.

José Júnior destacou a importância desta troca entre os grupos afins, uma vez que projetos diferentes podem estabelecer parcerias seja na área de desenvolvimento, de comunicação e outras. “São diferenças que se complementam. É a questão da diversidade que norteia o Pensar e Agir, o Observatório da Diversidade Cultural e a Rede Ação Dupla”, segundo José Júnior.

Leandro Lopes apresentou a Rede Ação Dupla, uma rede criada para articular os egressos do curso, integrada ao Programa Pensar e Agir com a Cultura e possui duas frentes: a da Gestão Cultural e a da Diversidade Cultural. Também informou que o site do Pensar e Agir está sendo reformulado e abrigará um banco de dados e trará espaços interativos.

O público se mostrou satisfeito e com grande perspectiva de continuar as trocas ali iniciadas.

Alexander Schimith (Belo Horizonte)
Este seminário é muito importante para o fechamento do curso, nos propicia poder conhecer os projetos de outras cidades e linkar um projeto no outro, além de aumentar nossa rede de contatos.

Maria Helena Cruz (João Monlevade)
Os grupos vão se entrelaçando e já planejam um workshop para ampliar os conhecimentos e fortalecer as ações.

Carlos Eduardo Costa (Belo Horizonte)
Esta troca com os gestores de outras cidades nos dá uma visão melhor das possibilidades de aplicação e de ampliação dos projetos. Conversando, vemos semelhanças entre os projetos e diferenças que nos leva a ampliar nossa visão, inclusive para levar determinado projeto para outro local.

Ana Lúcia Loureiro (Juiz de Fora)
O curso foi importante, objetivo e superou minhas expectativas. Este seminário tocou fundo em vários pontos relevantes para a cultura. A produção, os palestrantes, a proposta dos grupos de trabalho, isto tudo possibilitou fazermos vários links e contatos. Vou levar comigo muita coisa boa. Se eu tivesse que dar uma nota, seria 10.

Conhecimento, diversidade e compromisso no curso “Desenvolvimento e Gestão Cultural”

Pollyanne Melo Aguiar, da equipe de comunicação colaborativa

Essas foram as palavras de alguns gestores culturais e alunos do “Desenvolvimento e Gestão Cultural” que estiveram presentes no V Seminário Pensar e Agir com a Cultura, o evento marcou o encerramento das atividades do curso que aconteceu no primeiro semestre deste ano.

Conhecimento


Muito elogiado pelos participantes, o curso ampliou o campo de visão para o que é Cultura. Para o analista de sistemas, Thiago Carvalho, 23 anos, “o curso foi muito rico e proveitoso, principalmente por não estar diretamente envolvido, ele conseguiu abranger de uma forma bem completa e clara todos os campos da Cultura. Hoje consigo enxergar com outros olhos e por isso pretendo lançar em janeiro a edição piloto da Revista Cultural”, acrescentou o aluno de Juiz de Fora.

Diversidade

A diversidade curricular das turmas possibilitou uma troca de experiências segundo Fábio Stigert, 32 anos, também de Juiz de Fora. “Sou economista e com o curso tive a oportunidade de ter contato com profissionais das mais diversas áreas e ver como a Economia está inserida na Cultura, um exemplo é os países desenvolvidos a exploram mais”, afirmou Fábio que acredita está mais crítico e observador.

Compromisso

O compromisso demonstrado pelos alunos para com o desenvolvimento das comunidades nas quais estão inseridos foi demonstrado nos diversos projetos realizados nas aulas de laboratório do curso. A aluna de Belo Horizonte Regina Caminha, 60 anos, em conjunto com outros participantes desenvolveu um projeto que pretende dar espaço à comunidade. “O projeto Revista Hibrida será uma ferramenta extraordinária para dar força e voz às comunidades, que poderão simbolizar e despertar suas emoções e vivências através da escrita e assim possibilitar uma transformação no ser humano”, afirmou psicanalista.

Cultura também é conhecimento, diversidade e compromisso.

Na pauta: o Eixo Difusão

Priscila Paiva, da equipe de comunicação colaborativa

Depois de uma manhã recheada de importantes debates, a tarde de sábado do V Seminário de Diversidade Cultural foi dedicada à discussão dos projetos desenvolvidos durante o curso de Desenvolvimento e Gestão Cultural. Os alunos de Belo Horizonte, Juiz de Fora, Teófilo Otoni, Itaúna e João Monlevade se reuniram para conversar sobre os projetos e identificar suas dificuldades, potencialidades e possíveis trocas e parcerias. Para isso os temas foram divididos em três eixos: Articulação, Formação e Difusão.

O eixo Difusão foi re-dividido em três subgrupos devido ao seu grande número de componentes. A mediação foi feita pela professora Priscilla D’Agostini e pelo jornalista do Observatório da Diversidade Cultural, Leandro Lopes.

As discussões foram bem interessantes e foi possível identificar semelhanças e pensar parcerias entre os projetos. Em um dos subgrupos discutiu-se a necessidade de trabalhar com jovens em idade escolar e que, assim como Isaura Botelho (Consultora em Políticas Públicas Culturais) colocou durante os debates em mesa, essa é a idade ideal para se trabalhar a formação de público.

Como identificação de semelhanças, os alunos perceberam que todos os projetos apresentavam a necessidade de se conhecer profundamente a comunidade e sua realidade. Mas Virgínia Strack, de Juíz de Fora, levantou também a importância de um “olhar estrangeiro” sobre a comunidade. Esse “outro olhar” pode identificar potencialidades e gerar novos questionamentos. Já Sinara Teles, de Belo Horizonte, falou sobre a necessidade de motivar essas comunidades a olharem também para outros lugares, buscarem por novas janelas. “Se em outros lugares tal ação ou projeto está acontecendo e funcionando, por que aqui não?”.

Foi debatida ainda a necessidade de se pesquisar e trabalhar a memória local. Para fechar a discussão, Aline Cântia de Belo Horizonte contou a seguinte história:

“Um Pesquisador foi a uma comunidade indígena e perguntou a um jovem nativo:

- Porque você ainda se senta para ouvir o Chefe da aldeia? Não acha que a televisão tem muito mais informação, mais histórias para lhe oferecer?”

E o indígena respondeu:

- Sim. Mas o chefe da tribo me conhece.”

sábado, 28 de agosto de 2010

Vídeo institucional Pensar e Agir com a Cultura

video

O público disse...

Renata Lopes, da equipe de Comunicação Colaborativa

Ontem teve início o V Seminário Pensar e Agir com a Cultura – Políticas Públicas para a Cultura: avanços e desafios no Brasil e em Minas Gerais, na sala Juvenal Dias no Palácio das Artes, Belo Horizonte. A mesa do primeiro dia foi composta por Isaura Botelho, consultora em Políticas Públicas Culturais, e Chico Pelúcio, Diretor Geral do Galpão Cine Horto, com o tema: “Políticas Públicas de Cultura: Avanços e Retrocessos” e mediação de José Oliveira Júnior.

Isaura Botelho traçou um panorama da última década da relação entre os governos federais e o Ministério da Cultura. Desde os argumentos utilizados pelo governo FHC, o esvaziamento político e quase extinção do MinC, a retomada do cinema brasileiro. Abordou ainda a maneira como o ministro Gilberto Gil fez uso do capital simbólico que carrega para expandir a questão da cultura para além da Esplanada dos Ministérios. Com a passagem de Gil pelo MinC, a cultura passa a ser vista pelo ângulo antropológico e muitas frentes foram abertas.

Chico Pelúcio fez um balanço dos aspectos positivos e negativos que percebe nessa última década. Destacou, entre outras coisas, como positivo: a organização da sociedade civil, a ampliação das discussões sobre cultura por todo o Brasil, o aumento do orçamento para a cultura e a extrapolação do eixo Rio-SP. Como pontos negativos foram destacados: a falta de profissionalização do MinC, o pouco diálogo entre cultura e educação, a inoperância, a falta de dados estatísticos consistentes para a cultura e a inexistência de um conselho estadual em Minas Gerais.

Para o público presente o debate foi de extrema importância pois tratou de questões urgentes e pontuais.

Confira a opinião de algumas pessoas que estiveram presentes

Lidiane Oliveira (Itaúna)
É importante esta discussão sobre os conselhos de cultura, tanto municipais quanto estaduais.

Fabrício Chaves (Teófilo Otoni)
Foi muito elucidativo para várias questões dentro da cultura. Vemos uma ausência de diálogo e a realização deste Seminário nos dá esta oportunidade de diálogo. É bom ouvir gestores experientes, que trabalham há mais de 20 anos com cultura e esse encontro com novos gestores.

Angélica Pereira (Ouro Preto)

A fala da Isaura foi muito elucidativa, ela fez um apanhado muito bom dos governos FHC e Lula com relação ao MinC.

Marlene Rodrigues (Teófilo Otoni)
Foi uma ótima oportunidade de tirar dúvidas quanto à algumas questões que às vezes não temos oportunidade durante o curso, pois é muito corrido. Então, aqui no Seminário podemos tratar dessas questões pontuais. Outro ponto positivo é a integração dos grupos.

Lívia Maia (Juiz de Fora)
Muito oportuno esta avaliação dos anos de governo, de como foi a política cultural no país. É uma reflexão fundamental ainda mais neste ano de eleição.

Viviane Velano (Belo Horizonte)

A avaliação por profissionais com tanta experiência na área cultural, dos pontos positivos e negativos da política pública para a cultura no Brasil nestes últimos tempos vem ratificar o que já é sabido por nós.

Carlos Farias (Almenara)
Por enquanto ainda estamos num mato sem cachorro na área da cultura.

Rodolfo Fonseca (Belo Horizonte)
O debate e a polêmica em torno da cultura foi muito bom. A comparação entre governos, entre as diferentes gestões do MinC e as políticas de governo são fundamentais para amadurecer as questões relativas à política pública para a cultura.

Seguindo sempre em frente

Abertura do Seminário Pensar e Agir com a Cultura fez um balanço dos avanços do programa para a formação de gestores culturais

Pâmilla Vilas Boas, da equipe de Comunicação Colaborativa

Parar. Pensar. Agir. Continuar. Verbos de ação e reflexão foram mais do que recursos discursivos na abertura do V Seminário Pensar e Agir com a Cultura, que aconteceu ontem (27), às 19h30, no Palácio das Artes. Políticas Públicas para a Cultura: avanços e desafios no Brasil e em Minas Gerais. Esses verbos se traduziram sim em demandas para o efetivo desenvolvimento da gestão cultural no Brasil.


Refletir
O coordenador do programa Pensar e Agir com a Cultura, José Márcio Barros, iniciou o seminário chamando a atenção para a necessidade de olhar esses oito anos de existência do curso para avaliar os avanços e retrocessos. Além do curso já ter sido realizado em 31 cidades de Minas Gerais e de ter formado mais de três mil gestores culturais, salta aos olhos o modelo de parceria que foi constituído ao longo dos anos. José Márcio enfatiza o processo de “casamento” com a Fundação Clóvis Salgado que integrou o curso na grade de atividades da Fundação. Além disso, ele destaca a relação com a empresa ArcelorMittal que tem participado dessa formação de gestores muito mais do que um simples patrocinador, participando de todas as ações e diretrizes propostas para o programa.


Construir
“A gente produz aço, mas aqui estamos fazendo algo muito mais importante: a transformação social pela cultura” ressaltou o gerente de arte e cultura da fundação ArcelorMittal, Marcelo Santos. Se o aço é a base para o setor industrial, construtivo, automotivo, a cultura é a base para a construção dos processos simbólicos que diz da forma do humano se relacionar em sociedade. Tentando fugir das anedotas e sem maiores comparações com o setor mineral, a empresa parece realmente tentar novas formas de financiar a cultura, participando ativamente dessa construção que deve ser coletiva. É por isso que, de acordo com Marcelo, a empresa vem apostando em cursos de formação, conscientizando a empresa de que política cultural não se deve restringir ao marketing.



Continuar
O representante da secretaria de cultura de Teófilo Otoni parece satisfeito com os frutos da realização do curso Pensar e Agir para o desenvolvimento da cultura na cidade. Para ele, o curso foi a oportunidade de realização de uma capacitação que sempre foi desejada pela prefeitura. “Quando levaram a proposta, não tínhamos dúvidas de que era isso que queríamos”, comenta.


Vencer
Criar um pacto social em torno da cultura. Para o representante da fundação de arte e cultura de João Molevad, Luciano Magela, essa seria a forma para vencer a barreira de um país que tem outras prioridades além do setor cultural. É a pressão social que pode colocar a cada dia mais a cultura na pauta de prioridades do governo brasileiro.

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Comunicação Colaborativa

Alguns participantes do curso “Desenvolvimento e Gestão Cultural” aceitaram o desafio de compor a equipe de comunicação colaborativa do V Seminário Pensar e Agir com a Cultura - Políticas Públicas para a Cultura: avanços e desafios no Brasil e em Minas Gerais, que marca o encerramento da 10ª edição do curso promovido em cinco cidades mineiras.

A equipe vai alimentar este blog com notícias, entrevistas e fotografias do seminário e sobre as discussões a respeito do cenário brasileiro de políticas públicas culturais.

O V Seminário Pensar e Agir com a Cultura começa logo mais às 19horas e vai até sábado, dia 28. O evento é patrocinado pela ArcelorMittal e acontece na Sala Juvenal Dias, no Palácio das Artes - Avenida Afonso Pena, 1537, em Belo Horizonte.

Blog

Está no ar o blog do Seminário 2010 do Pensar e Agir com a cultura!